30 de julho de 2011

Como usar o desfibrilador externo automático (DEA)

Conforme comentado na postagem anterior, o que realmente salva vidas em casos de parada cardio-respiratória é o choque elétrico no coração (desfibrilação), o que pode ser feito por meio de um desfibrilador externo automático (DEA), sendo que nem todos os casos de parada cardio-respiratória têm indicação de choque elétrico.
Pra quem não sabe, existem leis que obrigam a manutenção de DEA em locais de grande movimentação de pessoas. Por exemplo, na cidade de São Paulo, a Lei nº 14.621 de 2007 diz que:

“Os aeroportos, shopping centers, centros empresariais, estádios de futebol, hotéis, hipermercados e supermercados, casas de espetáculos e locais de trabalho com concentração acima de 1.000 (mil) pessoas ou circulação média diária de 3.000 (três mil) ou mais pessoas, os clubes e academias com mais de 1.000 (mil) sócios, as instituições financeiras e de ensino com concentração ou circulação média diária de 1.500 (mil e quinhentas) ou mais pessoas, ficam obrigados a manter, em suas dependências, aparelho desfibrilador externo automático.”

Quem quiser e puder desembolsar a bagatela de aproximadamente R$ 5.000,00 – R$ 6.000,00, pode também ter um equipamento destes em casa.
Mas...você está preparado para usar este aparelho?
Pra quem tiver interesse, seguem abaixo alguns vídeos ilustrando como usar o DEA, bem como algumas explicações pertinentes.
Primeiramente um vídeo ilustrando o funcionamento do DEA semi-automático.  NARRADO EM INGLÊS 

Repare que não é preciso prática nem habilidade; o aparelho vai mandando mensagens sonoras que guiam o mais limitado dos socorristas durante o processo de reanimação.
E lembre-se sempre de chamar o socorro (SAMU ou Bombeiro).
O procedimento para usar o DEA pode ser resumido nas seguintes etapas (acompanhe no vídeo):

  1. Remover as roupas sobre o tórax da vítima.
  2. Abrir / ligar o aparelho.
  3. Destacar as pás e colocá-las sobre o tórax da vítima nas posições corretas. Aplicar as pás firmemente sobre a pele.
  4. O aparelho então pede para que não se toque no paciente e anuncia que está analisando o seu ritmo cardíaco.
  5. Uma vez identificado o ritmo, o aparelho anuncia se o choque é ou não apropriado.
  6. Se o choque for apropriado, o aparelho automaticamente carrega a energia necessária para o choque e solicita ao usuário que aperte um botão (que no vídeo aparece em flash) para que o choque seja efetuado. Lembre-se que todas as pessoas em volta devem se afastar, não encostar no paciente, porque do contrário também receberão a descarga elétrica que se conduz pela pele.
  7. Após o choque, o aparelho avisa que o mesmo foi efetuado, que é seguro tocar no paciente e orienta as manobras de reanimação (massagem cardíaca e ventilação).
  8. Depois de um pouco, o aparelho volta a analisar o ritmo cardíaco para verificar se é ou não apropriado um novo choque.
Repare que o aparelho tem um mecanismo de segurança que efetua o choque somente se for apropriado (existem modalidades de parada cardíaca em que o choque de nada adianta). Se, por exemplo, o ritmo cardíaco muda durante a preparação para o choque, o próprio aparelho percebe e anuncia que o ritmo mudou e que o choque não mais é apropriado.
Veja aqui um outro exemplo, dessa vez interativo, de como usar o DEA.  NARRADO EM INGLÊS 
Existem também alguns modelos de DEA totalmente automáticos. A diferença é que o socorrista não precisa apertar nenhum botão; o próprio aparelho se encarrega de aplicar o choque caso seja necessário. Veja no vídeo abaixo  NARRADO EM INGLÊS  (clique aqui para ver o vídeo em espanhol, italiano, francês, alemão ou outras línguas, menos português).

http://www.youtube.com/watch?v=0jaqSFCNrX0
http://www.cardiacscience.com/resources/videos-product-demos/voice-prompt.htm


Por fim, segue abaixo um vídeo real de uma situação em que o DEA foi crucial para salvar uma vida, a do então jovem e promissor jogador de futebol do Cruzeiro Diogo dos Santos Lima, o Diogo “Mucuri”, que sofreu uma parada cardio-respiratória em 2006 quando treinava na Toca da Raposa.

5 comentários:

  1. Muito boa explicação! Parabéns

    ResponderExcluir
  2. Realmente bastante esclarecedora!

    ResponderExcluir
  3. Muito boas explicações é bom aprender pois pode acontecer a qualquer um

    ResponderExcluir
  4. pode se usar o aparelho em um paciente mohado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, o recomendado é utilizar o desfibrilador sobre tórax SECO.

      Excluir